Notícias

Lufthansa adere a programa para criar combustível de aviação a partir de luz solar e ar

Pesquisadores do Instituto Federal Suíço de Tecnologia de Zurique (ETH Zurich) desenvolveram uma nova tecnologia que produz combustíveis de hidrocarbonetos líquidos exclusivamente a partir da luz solar e do ar
Boeing 777 LH Cargo Kennung ALFF New Livery

No último dia 15 de maio, o Lufthansa Group divulgou, em comunicado à imprensa, planos de cooperar com o ETH Zurich no campo de combustíveis sustentáveis para aviação.

Representantes do Grupo Lufthansa e do ETH Zurich, junto com as empresas de tecnologia Climeworks e Synhelion, assinaram uma Carta de Intenções conjunta para uma possível cooperação.

O processo de produção

Os processos inovadores desenvolvidos pelos pesquisadores e engenheiros da ETH Zurich permitem extrair CO2 (gás carbônico) da atmosfera e, através de um processo utilizando água e luz solar concentrada, convertê-lo em um gás de síntese que pode ser usado para produzir combustível de aviação.

O CO2 e a água são extraídos diretamente do ar ambiente e divididos usando energia solar. Esse processo produz “syngas” (gás de síntese), uma mistura de hidrogênio e monóxido de carbono que é posteriormente processada em querosene, metanol ou outros hidrocarbonetos.

O próximo objetivo do projeto é dimensionar a tecnologia para implementação industrial e torná-la economicamente competitiva. “Uma usina solar de uma área de um quilômetro quadrado pode produzir 20.000 litros de querosene por dia”, disse Philipp Furler, diretor da Synhelion e um ex-aluno de doutorado do ETH Zurich, no portal do Instituto.

Philipp acrescenta que, teoricamente, uma planta industrial do tamanho da Suíça – ou um terço do deserto de Mojave na Califórnia – poderia cobrir as necessidades de querosene de toda a indústria da aviação. “Nosso objetivo para o futuro é produzir eficientemente combustíveis sustentáveis ​​com nossa tecnologia e, assim, mitigar as emissões globais de CO2”, disse ele.

Esse tipo de combustível, ao ser consumido, libera apenas a quantidade aproximada do CO2 extraído da atmosfera em seu processo de fabricação .

A parceria

A parceria iniciada pelas subsidiárias do Grupo Lufthansa, SWISS e Edelweiss deve incluir, entre outras coisas, cooperação nas áreas de tecnologia e eficiência econômica. O conteúdo da cooperação deverá ser elaborado até o final de 2020.

A Synhelion e Climeworks nasceram dentro do ETH Zurich. A Synhelion, criada em 2016, está trabalhando para trazer combustíveis solares para o mercado. A Climeworks, fundada 2009, está buscando a separação do ar com CO2, para fornecer o carbono necessário para a síntese de combustível de maneira sustentável.

Assim, a Climeworks extrai o CO2 do ambiente, e a Synhelion produz o combustível. As empresas foram criadas para transferir a tecnologia desenvolvida para a indústria.

“Em contraste com outros meios de transporte, o aéreo dependerá de combustíveis líquidos sustentáveis ​​por um tempo. O seu lançamento no mercado exige um esforço conjunto dos fabricantes de combustível e das companhias aéreas”, declarou o Prof. Dr. Aldo Steinfeld, Professor de Vetores Energéticos Renováveis da ETH Zurique.

“Com a cooperação, estamos mais uma vez sublinhando a importância dos combustíveis para a aviação sustentável no objetivo de alcançar para a aviação o equilíbrio nas emissões de CO2”, afirmou Christina Foerster, membro do conselho executivo da Lufthansa, sobre a assinatura da Carta de Intenções.

Ainda sobre a carta de intenções, Christina acrescentou que o Grupo Lufthansa vem trabalhando duro há anos para tornar os voos cada vez mais sustentáveis. Graças a tecnologias com visão de futuro e a cooperação com parceiros inovadores em dois mercados domésticos da companhia, ela acredita estar no caminho certo.

É objetivo comum dos signatários preparar essas tecnologias promissoras para produção em escala industrial.

A empresa também divulgou que na última década esteve intensamente envolvida na pesquisa, teste e utilização de combustíveis sustentáveis, sendo pioneira em testes em 2011 de biocombustíveis em operações de voo regulares.

Desde então, o Grupo Lufthansa tem estimulado as principais tecnologias para a produção de combustíveis sustentáveis ​​para aeronaves por meio de cooperações direcionadas. O foco é sobre combustíveis sustentáveis ​​baseados em materiais residuais, biomassa lenhosa e energia elétrica renovável (Power-to-Liquid). A Lufthansa assinou uma Carta de Intenção com a refinaria Heide em 2019 a este respeito.

Desde agosto de 2019, o Grupo também utiliza a plataforma online “Compensaid” desenvolvida pelo Lufthansa Innovation Hub para permitir que passageiros compensem as emissões de CO2 de um voo realizado com combustível de aviação sustentável, independentemente da companhia aérea que escolherem.

RePost: AEROIN

Adicionar Comentários

Clique aqui para publicar o seu comentário

Abrir o chat
Precisa de ajuda?