Notícias

Passageiros fazem fila no GRU Airport

Essa é mais uma evidência que a crise passa longe da aviação

Todo ano de Campanha Salarial, as empresas aéreas  vem com o mesmo discurso de que  não têm condições de avançar na pauta de reivindicações dos trabalhadores  em razão da “crise”.

Esse discurso está mais do batido e não retrata a realidade. Dados da Subseção do Dieese na FENTAC revelam que cerca  de 82% das receitas do setor são oriundas da venda de passagens, portanto, do resultado operacional e riqueza produzida cotidianamente pelos trabalhadores.

Outro dado interessante é que o maior custo das empresas é com combustíveis e lubrificantes de aeronave, cerca de 30%, seguido pelos custos com seguro, arrendamento e manutenção de aeronaves (21%); e só depois aparecem os custos com pessoal que representavam, em 2015, cerca de 15% no setor.

Ou seja, a força de trabalho é sempre objeto flexibilização e redução de custos. Apenas nos nove primeiros meses de 2016 foram extintos 4.853 postos de trabalho na aviação civil, mais de 5% do total de empregos no setor!

E as empresas continuam decolando: o volume de passageiros incorporados na aviação nos últimos 10 anos foi de 63 milhões, aumento de 133%!

Já os salários dos trabalhadores, nesse mesmo período, registrou crescimento 13 vezes menor, apenas 9,3%! Olha o absurdo!

GRU Airport

Os embarques e desembarques no Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU Airport), considerado o maior do Brasil, continuam de vento em polpa.

A imagem acima é a do Terminal Internacional de Passageiros (TPS3) e mostra que para milhares de brasileiros (as) a crise passa longe e continuam usando o avião como meio de transporte.

O setor da aviação brasileira continua mantendo nos períodos sazonais, julho, dezembro e janeiro, um bom crescimento em razão das férias escolares.

Adicionar Comentários

Clique aqui para publicar o seu comentário

Abrir o chat
Precisa de ajuda?