Sindigru participa de lançamento de abaixo-assinado contra a reforma da Previdência

O documento será ampliado para todo o Brasil e a proposta é entrega-lo ao Congresso logo após o Dia do Trabalhador e Trabalhadora, 1º de Maio

Por: Vanessa Barboza, Redação Sindigru - Publicação: 04/04/2019
Montagem/Mídia Consulte - Baixar Imagem

O Sindigru e diversos Sindicatos cutistas do campo e da cidade participaram na manhã desta quinta-feira (4) do lançamento do abaixo-assinado contra a reforma da Previdência. A ação aconteceu na Praça da Sé, no centro de São Paulo. O ato também alertou sobre o desmonte do SUS. 

O abaixo-assinado será ampliado para todo o Brasil e a proposta é entrega-lo ao Congresso logo após o Dia do Trabalhador, que é em 1º de Maio, para mostrar aos deputados federais que o povo brasileiro não quer essa reforma. O abaixo-assinado também será disponibilizado para os sindicatos para que possam colher as assinaturas em suas bases. 

Na atividade também foi lançada uma cartilha explicando as armadilhas da proposta do governo Bolsonaro que, caso seja aprovada, acaba com a possibilidade de aposentadoria para milhões de brasileiros, além de reduzir o valor dos benefícios de quem já é aposentado e de quem conseguir se aposentar.  

“A Previdência Pública é o maior e mais eficaz programa de distribuição de renda já criado. Não podemos permitir este retrocesso no Brasil”, destaca  a direção do Sindigru.

Reforma da Previdência de Bolsonaro

A Proposta de Emenda Constitucional, PEC da reforma da Previdência, do governo Bolsonaro quer acabar com o sistema público de aposentadoria e entregar a administração da Previdência aos bancos, introduzindo o chamado regime capitalização em substituição ao de repartição que vigora ainda hoje no Brasil. 

A diferença é que no modelo anunciado e defendido pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, patrões e governos deixam de contribuir e a poupança da classe trabalhadora passa a ser gerida pelos banqueiros, que certamente vão lucrar muito com a mudança, em detrimento dos aposentados.

Em países como Chile, onde tal mudança foi implantada pelo general-torturador Augusto Pinochet há mais de 30 anos, os resultados estão sendo colhidos e conhecidos agora: 90,9% dos que se aposentaram no regime de capitalização recebem menos de 50% do salário mínimo e estão condenados à pobreza extrema.
 

 

 

Comunicação do SINDIGRU/CUT

Jornalista Responsável: Viviane Barbosa Mtb-28121
Redatora: Vanessa Barboza Mtb-74572
Mídia Consulte: 55 + (11) –3136-0956 - 9+6948-7449
Redação: jornalismo@midiaconsulte.com.br


Últimas Notícias

Sindigru inaugura pousada na Praia Grande em outubro

16/08/2019 - Destaque

Associados e associadas interessados já podem fazer inscrições diretamente no Sindicato

Deputados aprovam MP que acaba com descanso aos domingos e horas extras

14/08/2019 - Linha Rápida

Ao contrário do que diz site da Câmara, CUT tentou tirar todos os itens trabalhistas da MP para impedir retrocessos e ataques ao direitos conquistados pela classe trabalhadora

Reforma: Confira as maldades que os deputados aprovaram no 2º turno de votação

12/08/2019 - Conexão

Eles mantiveram no texto-base restrição a quem recebe dois benefícios, por menor que sejam os valores, e contribuição de servidor aposentado que ganha mais de R$ 1.000,00

Trabalhador pode perder o direito de sacar saldo do FGTS quando for demitido

09/08/2019 - Destaque

A cilada da medida do governo Bolsonaro é que o trabalhador que aderir ao saque-aniversário perderá o direito de sacar tudo que tiver na conta quando for demitido sem justa causa, momento em que mais precisará

+

Campanha Salarial

Fotos

Paralisação no GRU Airport contra demissão arbitrária de dirigentes do Sintaag

Vídeos

Facebook