12 anos da Lei Maria da Penha: “Temos que lutar pelo constante aperfeiçoamento”

LMP constitui um importante diploma legal para a proteção dos direitos humanos das mulheres

Por: Redação Sindigru com informações do Portal Migalhas - Publicação: 06/08/2018

Mais um caso de violência contra a mulher chocou todos no Brasil: a história da advogada Tatiane Spitzner, de 29 anos, que morreu após cair do 4º andar do prédio onde morava em Curitiba. O suspeito é o seu marido, o professor Luís Felipe Mainvailer, de 32 anos.

Imagens divulgadas pelas redes sociais, no dia (3), mostram uma sequência de agressões feita contra ela pelo marido, antes da queda. O vídeo obtido pela polícia reforça as suspeitas de que o homem foi o responsável por jogar a vítima do prédio, matando-a na hora, em Guarapuava, no interior do Paraná.

A tragédia ocorrida com Tatiane é a mesma de muitas mulheres brasileiras, uma história de violência e agressividade semelhante também à Maria da Penha. 

 Nesta terça-feira, 7 de agosto a Lei Maria da Penha completa 12 anos e constitui um importante diploma legal para a proteção dos direitos humanos das mulheres, em especial a uma vida livre de violência na esfera doméstica. 

Nos termos da Lei Maria da Penha, entende-se por violência doméstica e familiar contra a mulher qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual, psicológico, sexual ou patrimonial. As formas mais comuns são as ameaças, as lesões corporais, os crimes contra a honra e o feminicídio.

Nestes 12 anos temos muito a comemorar, pois sabemos que vidas foram salvas em razão da existência desta lei. Assim, por exemplo, dados do IPEA indicam que a LMP fez diminuir em cerca de 10% a taxa de homicídio contra as mulheres dentro das residências. 

Ainda há muito a fazer

Essa diminuição, embora significativa, não foi suficiente para retirar o Brasil da vergonhosa posição do 5º país que mais mata mulheres no mundo. São 13 mulheres assassinadas por dia, uma a cada duas horas, em grande número constituído pela população economicamente desfavorecida e negra. Um dos pontos que precisa avançar é na criação de mais delegacias da mulher. Segundo a norma técnica, cidades de até 300 mil habitantes devem ter duas delegacias especializadas no atendimento à mulher. Ou seja, em nível nacional, o Brasil está bem longe da orientação. Apenas 7,9% das cidades brasileiras contam com uma delegacia da mulher, o que denuncia que a distribuição delas é bem desproporcional. 

O  compromisso com o combate à violência doméstica deve envolver toda a sociedade, mulheres e homens, o sistema de justiça e os poderes de Estado. O Sindigru apoia a LMP e continuará a luta pela sua manutenção e pelo aperfeiçoamento constante!

Exemplos

Em Guarulhos, as mulheres vítimas de violência podem ser amparadas e acolhidas pelo centro de referência à mulher  e também pelas casas da mulher, locais onde as mulheres da comunidade podem obter orientações e também fazer cursos diversos para sua independência econômica. 

Na cidade também foi criado o botão de pânico nos ônibus que é acionado através do aplicativo e recentemente foi sancionada a Patrulha Maria da Penha. Serão disponibilizadas viaturas com policiais treinados em situações de violência doméstica.

Representantes sindicais fizeram parte do treinamento DEFENSORA das Mulheres, evento promovido pela ITF,  justamente para lidar com casos de aeroviárias vítimas de violência doméstica e assédio sexual. "Nós do Sindigru entendemos que a luta pelo fim da violência é constante, mas temos a esperança de que a formação e a educação das crianças e jovens são fundamentais para criarmos um futuro livre de violência e machismo", frisa a Direção do Sindicato.

Disque 180
O Ligue 180, além de receber denúncias, presta informações sobre procedimentos em caso de violação de direitos – especialmente os relacionados à violência doméstica e familiar. 
É uma importante arma na defesa dos direitos das mulheres. Não se cale, denuncie!

 

Comunicação do SINDIGRU/CUT

Jornalista Responsável: Viviane Barbosa Mtb-28121
Redatora: Vanessa Barboza Mtb-74572
Mídia Consulte: 55 + (11) –3136-0956 - 9+6948-7449
Redação: jornalismo@midiaconsulte.com.br


Últimas Notícias

Final de ano: Sindicato prepara sorteio das pousadas para associados

22/10/2018 - Destaque

Interessados devem entrar em contato no Sindigru até o dia 12 de novembro

GRU Airport reconhece truculência de agentes de seguranças em reunião com Sindigru

03/10/2018 - Destaque

Diretores da Concessionária pediram desculpas e reforçaram que os seguranças podem abordar,mas qualquer atitude suspeita deve ser informada às autoridades policiais

Seguranças do GRU Airport agridem trabalhadores e passageiros, denuncia Sindicato dos Aeroviários

26/09/2018 - Destaque

Sindicato pede à Concessionária que se manifeste sobre tais condutas lamentáveis para sociedade

Confira as principais reivindicações dos aeroviários

21/09/2018 - Destaque

O Sindigru lutará pela reposição da inflação integral acrescida de ganho real de 2%; 10% nos demais itens econômicos e pela melhoria e inclusão de cláusulas sociais que melhorem as condições de trabalho, saúde, proteção, segurança e assegurem qualidade de vida

+

Convênios

Campanha Salarial

Fotos

Paralisação no GRU Airport contra demissão arbitrária de dirigentes do Sintaag

Vídeos

Facebook