Ministério Público do Trabalho defende fortalecimento dos Sindicatos

Confira vídeo divulgado pelo órgão! #VemProSindigru

Por: Redação Sindigru com Rede Brasil Atual - Publicação: 10/07/2018
Cartilha do MPT - Baixar Imagem

O Sindigru divulga abaixo o vídeo do Ministério Público do Trabalho que mostra para o trabalhador e trabalhadora a importância do Sindicato para o defender seus direitos. O vídeo, faz parte da Campanha Maio Lilás, presta homenagem a 129 mulheres trabalhadoras trancadas e queimadas vivas em uma fábrica de tecidos em 1857, em Nova York, por reivindicar salário justo e jornada menor.

Um dos objetivos é estimular uma "participação consciente" do trabalhador em sua entidade sindical. E "reconhecer a liberdade sindical em todas as suas matizes e variações", destaca  o coordenador nacional da Promoção da Liberdade Sindical (Conalis) do MPT, João Hilário.

Segundo o procurador, os problemas do mundo do trabalho precisam ser enfrentados por meio do diálogo social – com Estado, entidades de trabalhadores e patronais –, buscando interesses convergentes. Um desafio ainda maior depois da implementação da "reforma" trabalhista (Lei 13.467), em 11 de novembro.

 

Reforma Trabalhista é um retrocesso e inconstitucional

O coordenador do MPT critica a nova lei, identificando muitos itens que se chocam com o conceito internacional de trabalho decente. Sobre a atuação sindical, avalia que houve uma "redução drástica" de recursos: "Mudou de uma hora para outra, sem oferecer oportunidade de adequação. Independentemente da discussão se a contribuição sindical deva acabar ou não, (a lei) promove um desarranjo no sistema avassalador".  

Em nota técnica divulgada há pouco mais de um ano, o Ministério Público criticava o então projeto de "reforma" trabalhista, apontando um "déficit democrático" na discussão e criticando vários itens. Sobre a contribuição sindical, afirmava que a possível extinção do imposto "deve ser acompanhada da apresentação de alternativas de financiamento às entidades sindicais, como a contribuição assistencial, figura completamente compatível com o modelo de liberdade sindical proposto pela OIT".

Hilário lembra que, no entendimento da maioria do MPT, as modificações na lei sobre o tema são inconstitucionais. A contribuição sindical passou a ser opcional, dependendo de uma autorização do trabalhador para ser descontada, mas há uma controvérsia a respeito dessa autorização – se deve ser individual, como querem os patrões, ou coletiva, como defendem os sindicatos. 

O procurador lembra que muitos empregadores recaem em prática anti-sindical, ao estimular funcionários a exercer direito de oposição, no caso da contribuição assistencial. "Se a gente tem esse tipo de mentalidade, o que acontecerá com o empregador que for a seu patrão ou ao RH com uma cartinha dizendo que quer contribuir com o sindicato?", questiona. 

 

Confira o vídeo:

 

Comunicação do SINDIGRU/CUT

Jornalista Responsável: Viviane Barbosa Mtb-28121
Redatora: Vanessa Barboza Mtb-74572
Mídia Consulte: 55 + (11) –3136-0956 - 9+6948-7449
Redação: jornalismo@midiaconsulte.com.br


Últimas Notícias

Ministério Público do Trabalho defende fortalecimento dos Sindicatos

10/07/2018 - Destaque

Confira vídeo divulgado pelo órgão! #VemProSindigru

Escola DIEESE prorroga inscrições para pós-graduação em Sindicalismo e Trabalho

06/07/2018 - Linha Rápida

Inscreva-se até 27 de julho

Plantão jurídico

05/07/2018 - Destaque

#1ºCopaDosAeroviários

03/07/2018 - Destaque

Confira a Tabela dos jogos

+

Convênios

Campanha Salarial

Fotos

Paralisação no GRU Airport contra demissão arbitrária de dirigentes do Sintaag

Vídeos

Facebook