Mais de 20 mil pessoas dizem não à reforma da Previdência na Avenida Paulista

Com bandeiras e faixas contra o fim da aposentadoria, Temer e a intervenção federal na segurança pública do RJ, trabalhadores encerram dia de luta em São Paulo

Por: CUT - Publicação: 20/02/2018
Roberto Parizotti/CUT - Baixar Imagem

Mais de 20 mil pessoas ocuparam a Avenida Paulista, em São Paulo, na segunda (19), em protesto contra a reforma da Previdência do golpista e ilegítimo Michel Temer (MDB-SP).

Organizado pelas CUT e demais centrais sindicais, frentes Brasil Popular, Povo Sem Medo, partidos políticos e movimentos populares, o ato fez parte do Dia Nacional de Mobilização Contra a Reforma da Previdência, que teve greves, paralisações, manifestações em todo o País.

Os trabalhadores, trabalhadoras e militantes começaram a se reunir no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp) por volta das 15 horas. Às 17 horas o trecho sentido Consolação da avenida estava totalmente bloqueado, e repleto de bandeiras e faixas contra o fim da aposentadoria, Temer e a intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro.  

Foi grande a vibração dos manifestantes quando souberam que o presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira (MDB-CE), havia acabado de determinar a suspensão da tramitação de todas as Propostas de Emenda à Constituição (PEC), como é o caso da reforma da Previdência, enquanto vigorar o decreto de intervenção do Rio de Janeiro, previsto até dezembro.

Para o presidente da CUT, Vagner Freitas, a resistência e a mobilização da classe trabalhadora e de toda a sociedade ao fim da aposentadoria para milhões de brasileiros foram fundamentais para a suspensão da votação, mas, no caso de um governo golpista, é preciso ficar sempre alerta.

“É uma vitória momentânea e a mobilização não pode parar. A qualquer momento eles podem dar mais um golpe e tentar aprovar o fim da Previdência pública", alerta Vagner, que pediu para os sindicatos continuarem em estado de alerta e mobilizados para parar o Brasil caso eles tentem tirar a pauta da gaveta.

Aos gritos de “fora, Temer” o presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo, falou da importância deste dia de luta e comemorou a retirada da pauta no Congresso Nacional.

“É uma vitória da classe trabalhadora. A CUT sempre esteve na resistência e na luta por direitos e continuará lutando contra todo e qualquer retrocesso”,  destacou Izzo, que complementou: “Se colocarem para votar, o Brasil vai  parar e faremos outra greve geral”.

Para Vagner, a decisão do presidente do Congresso representa “um resultado imediato porque significa que a classe trabalhadora impediu a aprovação da reforma da Previdência”.

“E essa vitória”, disse o presidente da CUT Nacional, “serve para renovar as nossas pilhas para continuar na luta”.

Vagner disse que além da mobilização dos sindicatos nos locais de trabalho, a militância precisa continuar pressionando os deputados nos aeroportos, nas suas bases eleitores, enchendo seus WhatSapp de mensagens dizendo que se votarem a favor da proposta, não voltam a Brasília; e continuar organizando greves, o povo do morro e das favelas.

Comunicação do SINDIGRU/CUT

Jornalista Responsável: Viviane Barbosa Mtb-28121
Redatora: Vanessa Barboza Mtb-74572
Mídia Consulte: 55 + (11) –3136-0956 - 9+6948-7449
Redação: jornalismo@midiaconsulte.com.br


Últimas Notícias

FENTAC manifesta preocupação com proposta do SNEA de alterar NR-16 que classifica operações de risco à vida

15/06/2018 - Destaque

As empresas apresentaram uma pesquisa do IPT que trata sobre as operações de risco de incêndio no abastecimento de aeronaves

Com inflação menor, defesa dos direitos sociais ganha peso em negociações

13/06/2018 - Linha Rápida

Dieese aponta ambiente desfavorável e de incertezas. No ano passado, 63% das campanhas pesquisadas tiveram aumento real de salário. Leve melhora, mas distante do período 2006-2014

Sindicato amplia horário de atendimento do Departamento Jurídico

08/06/2018 - Destaque

Os trabalhadores poderão agendar com a Dra Adriana, advogada do Sindicato, toda última segunda-feira do mês, na sala do Sindicato no Aeroporto de Guarulhos, das 18h às 21h

+

Convênios

Campanha Salarial

Fotos

Paralisação no GRU Airport contra demissão arbitrária de dirigentes do Sintaag

Vídeos

Facebook