IBGE: Cuidados domésticos exigem da mulher 21 horas 'extras' semanais

No caso dos homens, a média é bem menor, de 11,1 horas a mais

Por: Agência Brasil - Publicação: 08/12/2017
Roberto Parizotti/CUT - Baixar Imagem

Jornada semanal delas em casa é de 10 horas a mais em relação à dos homens. Incluído o emprego formal, diferença é de três horas. No total, ambos trabalham mais de 50 horas por semana.

O tempo dedicado a cuidados de pessoas e afazeres domésticos foi em média de 16,7 horas por semana em 2016, mas no caso das mulheres chega a quase 21 horas (20,9), praticamente uma meia jornada adicional em relação às 44 horas semanais legais. No caso dos homens, a média é bem menor, de 11,1 horas a mais. Os dados, divulgados hoje (7), são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE.

Os ocupados gastam 14,1 horas semanais nessas atividades, em média, enquanto os não ocupados dedicam 19,9 horas. Entre as mulheres cônjuges, 95,6% realizaram afazeres domésticos em 2016. Como definição de "cuidados de pessoas", o IBGE lista alimentar, dar banho, levar à escola e brincar, entre outras tarefas. No ano passado, 135,5 milhões de pessoas (81,3% de população) de 14 anos ou mais realizaram afazeres domésticos em seu próprio domicílio ou de um parente: 89,8% no caso das mulheres e 71,9% dos homens.

Considerados o tempo dedicado ao emprego mais as atividades domésticas, a diferença é de praticamente 3 horas a mais (2,9) para as mulheres. Aquelas que são empregadas gastam, em média, 54,4 horas semanais, período que inclui o trabalho formal, afazeres domésticos e cuidado com pessoas. Os homens, com período maior no trabalho formal, têm jornada semanal total de 51,5 horas. 

Os serviços mostram a continuação da discrepância entre a atividade masculina e feminina. Segundo o IBGE, a tarefa "preparar ou servir alimentos, arrumar a mesa ou lavar louça" é feita por 95,7% das mulheres e executada por apenas 58,5% dos homens. Já a tarefa "cuidar da limpeza ou manutenção de roupas e sapatos" é realizada por 90,8% das mulheres e 55,7% dos homens.

"Em todas as categorias de cor ou raça, as mulheres realizam mais afazeres domésticos e cuidados de pessoas do que os homens", diz o instituto, que também registra diferença entre brancas (89,1% realizaram essas atividades), pretas (90,9%) e pardas (90,3%). 

Ainda segundo a pesquisa, no ano passado 10,5 milhões de pessoas (6,3% da população a partir de 14 anos) fizeram algum tipo de trabalho na produção de bens para o próprio consumo, como cultivo, pesca, caça e criação de animais. E 6,5 milhões (3,9%) fizeram trabalho voluntário.

Comunicação do SINDIGRU/CUT

Jornalista Responsável: Viviane Barbosa Mtb-28121
Redatora: Vanessa Barboza Mtb-74572
Mídia Consulte: 55 + (11) –3136-0956 - 9+6948-7449
Redação: jornalismo@midiaconsulte.com.br


Últimas Notícias

FENTAC manifesta preocupação com proposta do SNEA de alterar NR-16 que classifica operações de risco à vida

15/06/2018 - Destaque

As empresas apresentaram uma pesquisa do IPT que trata sobre as operações de risco de incêndio no abastecimento de aeronaves

Com inflação menor, defesa dos direitos sociais ganha peso em negociações

13/06/2018 - Linha Rápida

Dieese aponta ambiente desfavorável e de incertezas. No ano passado, 63% das campanhas pesquisadas tiveram aumento real de salário. Leve melhora, mas distante do período 2006-2014

Sindicato amplia horário de atendimento do Departamento Jurídico

08/06/2018 - Destaque

Os trabalhadores poderão agendar com a Dra Adriana, advogada do Sindicato, toda última segunda-feira do mês, na sala do Sindicato no Aeroporto de Guarulhos, das 18h às 21h

+

Convênios

Campanha Salarial

Fotos

Paralisação no GRU Airport contra demissão arbitrária de dirigentes do Sintaag

Vídeos

Facebook